Business Networks Management Meets Social Networks

Octavio Pitaluga

Subscribe to Octavio Pitaluga: eMailAlertsEmail Alerts
Get Octavio Pitaluga: homepageHomepage mobileMobile rssRSS facebookFacebook twitterTwitter linkedinLinkedIn


Related Topics: Chief Networking Officer Journal, Telecom Innovation

Blog Feed Post

Jovem CNO - Chief Networking Officer


Iniciamos a saga do CNO - Chief Networking Officer publicando um artigo em revista de circulação nacional em 2007 quando definimos todas suas responsabilidades e o processo de implementação de gestão de redes de negócios nas organizações. Depois, analizamos o CNO como oportunidade de carreira para mulheres executivas e executivos sêniores. Continuaremos a discutir o CNO com foco em executivos no início de carreira. Esse é um assunto que interessa a qualquer profissional que queira desenvolver novas competências, amplicar a rede de relacionamentos, inclusive para quem atua na área de Recursos Humanos.

Todo mundo conhece o conto de João e Maria. Vejamos uma versão mais moderna do mesmo. João é o melhor aluno da turma, mas é um tanto introspectivo. Suas melhores notas são nas matérias matemática e física. Ele é aparentemente tímido, mas muito observador e com um raciocínio estratégico/analítico de fazer inveja. Ele é aprovado numa das melhores faculdades do país na área de Exatas. Já Maria é a menina mais popular da turma. Ela conhece a todos e todos a conhecem. Ela possui uma memória incrível e um sincero interesse por pessoas, em geral. Ela resolve fazer faculdade na área de Humanas, mais precisamente, Comunicação.

Anos mais tarde, os dois reencontram-se num evento corporativo. João está como analista de um grande banco. Maria já trabalha a dois anos na área comercial de um grande grupo de telecomunicações. Ambos estão indo muito bem em suas carreiras e, recentemente, fizeram um treinamento sobre o novo modelo de liderança do CNO - Chief Networking Officer. Eles discutem sobre as possibilidades e os desafios de implementar essa metodologia em suas respectivas empresas e carreiras.

Ambos já estão bem familiarizados com as principais redes sociais. Desde os tempos da faculdade e dos estágios que eles mantêm contato com todos seus colegas, familiares e profissionais dos mais diversos ramos e perfis que encontraram nessa caminhada. Nenhum contato foi negligenciado, pois tanto João quanto Maria entenderam, desde cedo, o profundo valor desses relacionamentos para suas carreiras.

As redes sociais muito ajudaram a se manter na mente dessas pessoas nas mais diversas ocasiões como celebrações de aniversário, Natal e mesmo em momentos difíceis da vida de cada um. Isso sem contar com almoços e happy-hours regulares ao longo do ano. Por vezes, Maria organizava uma grande festa em algum lugar apenas para manter o contato vivo com os colegas da faculdade e saber como todos estavam.

Maria tem um banco de dados pessoal na ordem de 10 mil contatos espalhados nas mais diversas redes sociais. Por sua vez, João tem apenas 2 mil, alegando que não tinha muito tempo para mantê-los atualizados. Maria enfatizou para João a importância de aprender a usar as redes sociais eficientemente com foco em carreira, empreendedorismo e negócios corporativos.

Ela contou que graças a um relacionamento virtual em redes sociais com um executivo Europeu, ela ajudou a tecer uma parceria muito importante para sua empresa que já estava dando bons resultados financeiros, para ambas organizações. Essa atitude construtiva foi reconhecida pelos seus superiores na forma de um bonus e de uma viagem internacional ao país ,onde o parceiro estava localizado, como membro integrante da equipe Brasileira.

Então João começou a rapidamente calcular que se ele desenvolvesse apenas 10 novos contatos através das redes sociais por dia de trabalho, isso daria uma média de 200 novos contatos por mês, 2.400 novos contatos por ano e 24.000 contatos adicionais em 1o anos. Nesse período, ele já esperava estar posicionado como Gerente Pleno na sua organização ou em similar de destacado porte. Certamente que seu capital de relacionamento seria muito apreciado por diversas organizações, ajudando a acelerar ainda mais sua carreira mesmo numa eventual crise econômica.

Ambos concluiram que o primeiro passo a ser dado como CNO - Chief Networking Officer é a familiarização imediata com redes sociais e o mapeamento de todos seus contatos, através das mesmas e sempre tendo um banco de dados pessoal como back-up para qualquer eventualidade. João e Maria resolveram destacar esse patrimônio em seus respectivos résumés de agora em diante.

Rapidamente eles entenderam que o eficiente uso de recursos como o tempo e as ferramentas oferecidas pela Internet pode fazer uma tremenda diferença nas suas vidas, tanto social quanto profissional.

Share/Save/Bookmark



Read the original blog entry...

More Stories By Octavio Pitaluga

CNO - Chief Networking Officer of TEN - TOP EXECUTIVES NET

Business networks manager, certified international business coach, public speaker and trainer. The most connected South American professional in the main online social and business networks.

He defined the CNO - Chief Networking Officer responsibilities on Wikipedia. In the corporate world, I have worked for Tele2 Europe as Marketing and Sales Director of its electronic transactions processing subsidiary, 3C Communications, responsible for operations in up to 17 countries and four business units in Western Europe. I also worked for Seara Alimentos (Cargill Group now) and Kanematsu do Brasil Ltda. I possess an MBA degree from RSM Erasmus University, The Netherlands and post-graduation studies in International Business for UFRJ/ECEX. My academic background and professional experience relates to sciences, international business and marketing of technology with relevant international business exposure in more than 25 countries.

Languages skills: Portuguese, English, Spanish and Japanese (intermediate).

Hobbies: Friends, family, travelling, horses, multi-cultural issues, movies, dancing and out-door activities in general.